22 de set de 2013

Brega Naite 3 anos

Allana Marques, integrante do Golarrolê
A festa que "não deixa o brega morrer" completou 3 anos em clima de alegria, amores e cantorias. Ingressos esgotados dias antes da festa já previam a multidão que ia curtir o show de Musa do Calypso, além de recordar e roer com os bregas mais queridos de nosso Pernambuco. Foi lindo. Parabéns Golarrolê pela diversão e pelo Brega Naite. O Catamaran é um lugar muuuuito massa pra festas que terminam junto com os raios de sol, com gente feliz e dançando como se não houvesse amanhã. Agora teve gente que reclamou da fila das fichas pra comprar bebidas e comida, mas pelo menos eu não tive problema. Enfim, festa feliz, parabéns mais uma vez!

Luana Alves e André Ferreira
Esse querido blog esteve lá, tirando fotos com o público e entregando pirulitos de coração. A receptividade foi ótima, mas teve muita gente que se recusou a tirar foto e "assumir" que estava no Brega Naite. Ouvi até "Minha mãe não sabe que eu tô aqui" ou "Tenho vergonha", o que me passou a sensação de "não posso assumir que gosto de brega", "minha mãe não pode saber que eu danço até o chão ao som de 'amor de rapariga'" ou "essa festa tem muito gay, não posso ficar exposta a essa imagem". Suposições e impressões, mas vai de cada um. Respeitei quem disse que não queria tirar foto e parti pra próxima, pra outros sorrisos, pra "aaai, eu quero foto com certeza", "que lindo o pirulito, obrigada gata!". Foi uma experiência simples e legal, espero que quem viveu isso tenha gostado também! 

Musa do Calypso cantou todo o seu repertório de sucesso, menos "Meu novo namorado", o que foi no mínimo estranho e sem graça. Todo mundo com a coreografia ensaiada, rapaz... hahahaha. Cantou inclusive "A casa caiu" da banda Kitara, o que demonstra o quanto as bandas são unidas (tudo RME Produções facilita também). Priscila Senna confirmou que está grávida e que a barriga já tá começando a aparecer. Será Musinho ou Musinha? 

As críticas e este tipo de festa ainda continua. Recalque? Inveja? Não vou responder porque já chega de estereótipos por hoje, mas penso assim: o povo "mete o pau" nos bregas "de elite". Olhe, o brega pode ter suas origens nas periferias e ser bastante vivenciado por lá, MAAAAAAS nada impede de outros setores sócio-econômicos também usufruirem desse estilo musical. Brega é mais que ambiente e presença geográfica (a minha pesquisa mostrou isso), é também estilo de vida, é viver naturalmente, é sentir a boa música pulsar no coração. É tudo isso! Não venham falar besteira...

Beijos, lindos. Boa semana a todos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário