8 de dez de 2015

10 lições de cidadania que o brega nos dá

Muita gente fala que o brega é um estilo musical sem conteúdo, de baixa qualidade, que é coisa de pobre e por aí vai. Quem conhece e vive o brega sabe que isso tudo é puro preconceito, visto que o BREGA é um gênero bastante vivido na periferia, que muitas bandas e artistas são da periferia e isso tudo faz com que o rótulo "não presta" seja bem marcado. Em meio a um mundo de informações e de promessa movimentos anti-preconceito, selecionei alguns trechos de bregas que dão licões de cidadania. A você que fala mal do brega, sinto-lhe informar, mas pode rachar a cara. Beijos.
 

1) Brega fala de cor, de preconceitos de raça, de discriminação:
"Você disse que eu me afastasse ficasse distante, pois me achas tão pobre, tão feio, tão deselegante. E até você disse que tem preconceito de cor, mas eu tenho uma arma mais forte, sou feito de amor" (Reginaldo Rossi) 
 
 
Quantos relacionamentos nós vemos e vivenciamos que são baseados em interesses materiais ou discriminação de cor/beleza/poder? Pelo que já passei são vários. Não é a toa que Rossi é nosso rei, uma música dessa é lição de vida.

2) Brega fala de respeito à mulher, da luta contra a violência doméstica.
"Toda mulher gosta de carinho, toda mulher gosta de elogios. Toda mulher é igual a uma flor, tem que ser regada com amor" (banda Musa)


A mulher desde os primórdios foi considerada como um ser frágil, de pouco intelecto, máquina de fazer filhos e cuidar da casa. Que bom que os tempos mudaram e essa visão modificou, mas ainda vemos vários casos de violência, de abuso do corpo da mulher, de inferioridade atrelada ao XX. Embora no mundo brega a mulher seja vista como aquela que é vulgar, de roupas extravagantes e puro objeto sexual, eis um brega que mostra como a mesma deve ser (no mínimo) tratada.
 
3) Brega fala que todos somos diferentes, que não somos perfeitos, mas o respeito deve existir.
"Porque, meu bem, ninguém é perfeito e a vida é assim" (Conde Só Brega)
 
 
Cada um age conforme o que bem entender. Cada um deve agir conforme bem entender, mas sem denegrir o próximo. Cada um deve respeitar o agir do outro, concordando ou não. Ninguém é perfeito, só Deus.
 
4) Brega fala de amor. Tipo muito. A música abaixo nem resume o quanto de amor e amor e amor que tem no brega.
"Sei que tudo não é como a gente quer, mas estou falando de amor" (Ritmo Quente)
 
 
E amor por si só já basta <3
 
5) Brega fala de família. Ou ao menos na (tentativa de) constituição dela.
"Não se saia de fininho, eu não fiz ele sozinho" (banda Bregueço)
 
 
Principalmente com adolescentes, a gravidez muitas vezes não planejada coloca apenas na mulher a responsabilidade na criação dos filhos. Volta a música do tema 2: mulher é pra ser dona de casa e "parideira". O pai faz, mas não assume, talvez por imaturidade. E quando a mãe é imatura também? E quando certidões de nascimento só tem o nome dela, porque ele não foi homem o suficiente para assumir o que gerou? Pior, ele ainda "fica falando que eu sai com fulano, com sicrano"... Rebaixar a imagem dela, colocando-a toda a culpa, afinal, mulher engravida se quiser...
 
6) Brega fala de "seja a mudança que você quer ver no mundo".
"Tu só me dá desprezo e eu te dou carinho" (banda Labaredas)
 
 
Lei de Talião é coisa do passado. Essa história de "olho por olho, dente por dente" nem sempre é eficaz, afinal, se alguém te trata mal nada melhor que retribuir com amor. Se você quer que o mundo mude, que você seja o autor dessa mudança. Pegue as pedras da vida e construa um castelo; faça da queda um passo de dança (de brega, se possível); faça das críticas um degrau para o sucesso; pegue indiferença e desprezo e transforme em bons fluidos. Fácil.
 
7) Brega fala de lealdade.
"Amor de rapariga não vinga, não" (banda Ovelha Negra)
 
 
Em tempos de Tinder, Whatsapp, Instagram é muito fácil manter contato com várias pessoas, muitas pessoas, o que aumenta a desconfiança, ciúmes e infidelidade dos casais. Sim, em tempo de amores líquidos baumanianos relacionamentos se fazem e desfazem com muita facilidade. Ou mantém-se com muita superficilidade. Quando a rapariga entra na dupla os sentimentos se misturam e o que parecia ser forte torna-se frágil demais. O amor (se é que existia) desfaz-se.  
 
8) Brega fala de perdão, um dos princípios básicos da Bíblia.
"Aprendi que a solidão castiga" (Kelvis Duran)
 
 
Somos feitos para viver e conviver, não adianta. Sentir-se sozinho é permanecer na penumbra e é impossível ser feliz assim. Somos feitos para amar, relacionar-se e o perdão é um dos lemas. Somos humanos e, por isso, errantes, mas o segredo é além de errar, assumir o erro e perdoar/pedir perdão.
 
9) Brega fala de atitude, de assumir responsabilidades.
"Onde que eu errei? (...) Como a culpa é minha?" (banda Torpedo)
 
 
É o famoso bode expiatório. Alguém tem que levar a culpa, ser o filtro das ansiedades e angústias das pessoas e dos relacionamentos. Quem trai diz que o outro tem parcela de culpa porque não é um bom marido, porque não ajuda em casa, porque isso e aquilo. Fica arranjando motivo para dizer que não fez aquilo em vão. Fazer besteira é fácil, difícil é assumir os próprios erros. Vai vendo...
 
10) Brega fala de brega. Respeitem esse ritmo/estilo/gênero/jeito musical lindo.
"Numa letra de um brega fala de amor, de grandes coisas dessa vida que a gente passou" (banda Aparências)
 
 
 
 
Perceberam como funciona? Perceberam que não é vergonhoso gostar de brega? Perceberam que muita gente rotula sem nem conhecer? Olhe que isso foi só um resumo... Isso e muito mais vocês encontram na funpage "Quem gosta de brega sou eu".
 
Espero que tenham gostado. Beijos bregosos para vocês
;*