7 de abr de 2013

O dia que troquei banda Kitara por Skank.


Para surpresa de muitos, inclusive do meu pai e da torcida do Sport, não fui a gravação do dvd da banda Kitara. Você também se assustou com a notícia? Calma, há coisas mais importantes para se preocupar...

Motivo principal e único: Não vou ao show hoje por não ter ingresso. Não comprei porque iria ganhar, uma pessoa da banda havia me prometido. Talvez pela correria ou talvez pela minha falta de prestigio em não ser global, não obtive o ingresso. Por não ter ganho, não comprei. Nem nas lojas, nem a cambista. Imagino a quantidade de jornalistas que cobriram o dvd sem ao menos gostar de brega... Mundo injusto Devia ter feito Jornalismo...
Sou uma das poucas que divulga o brega pernambucano e não me vi no direito de comprar ingresso, muito menos mendigar (coisa que fiz um pouco). 35 reais - ingresso pista - não é lá grandes valores, mas faz falta e quis me dar ao luxo de querer que me dessem ingresso. Em pensar que esses 35 puderam complementar os 100 referentes ao valor do ingresso do show de Skank, banda que eu amo e raras vezes vem a Recife. Sei que era gravação de dvd, momento raro, mega produção (um pouco pra mascarar a simplicidade que é o brega), mas me motivei mais pela banda mineira. Foi nesse momento que preferir trocar o brega pelo pop/rock, ambos MPB. 

Perdi o show e por incrível que pareça a dor do parto foi pequena, não fosse o consolo de um certo amigo:

"Se a Kitara fosse na época de Mancha de Baton, Bregueço, Brega.com, Carícias não estaria com todo esse cartaz... Seria mais uma apenas". Essa frase foi pra fanpage e muita gente curtiu, logo, entendesse toda a verdade que ela carrega. As grandes bandas de brega atuais são aquelas bancadas pela RME produções, já perceberam? Kitara, Musa, Boa Toda, Torpedo... Se não são da RME são influenciadas de alguma maneira (tentando se enquadrar, ter o padrão, sabe?). Dou valor a produtora visto que está conseguindo grandes investimentos e, querendo ou não, convence a população com suas melodias românticas. Mas cadê Michelle Melo, Kelvis Duran, Vicío Louco, Swing do Pará tendo participação no dvd? Nem venha dizer que é concorrência porque a RME monopolizou, nem venha dizer que não era o momento porque era. Uma banda de brega gravando dvd no palco onde pisou Elton John, Ivete e Backstreet boys é, de fato, um poder e tanto. E porquê não chamar os amiguinhos do brega, aqueles que por falta de sorte não tiveram uma produtora e patrocinadores bons o suficiente pra bancar um dvd no Chevrolet Hall? Não, o ego do "se eu consegui, eles que tentem conseguir também" falou mais alto. Mesmo assim estão de parabéns! =)

E enquanto terminava essa postagem fui convidada pra jantar, o que se esticou para o clube Madeira do Rosarinho. Muitos vocês, creio eu, não sabiam que Madeeeeeeeeeeeira do Rosarinho não é apenas uma música de carnaval... É um clube, localizada perto do Arruda (eca). E na contramaré do "não vai pro dvd de Kitara?" fui ouvir brega antigo lá, bregas que eu mal conhecia ou lembrava de longe. Inclusive no Madeira a Musa do Calypso se apresentou diversas vezes, até com cachê de 800 reais. Aí depois da fama não volta mais às "origens", porque umas horas de show lá fariam a banda não lucrar uns 24mil (valor do show é 25)...
Clube simples e que de cara me fez lembrar do clube das Pás, bem parecido na sua estrutura... E no seu público, sempre dançante. A noite foi tão inesperada que sentei até na mesa da presidência do clube, com conversas sobre música, Deus e gaia. Infelizmente não teve show, mas o ambiente igual e diferente já me fez ganhar a noite. Conhecia o clube apenas de nome e de repente eu estava lá, sem planos, por consequência do quem sabe destino. E mágoa de não ter ido pro show de Kitara passou...

Por fim, tudo o que eu havia planejado não aconteceu. Tem hora que plano não adianta, o melhor mesmo é o inesperado, coisa que o sábado me proporcionou =)

Nenhum comentário:

Postar um comentário