6 de out de 2010

Juventude do Amor

Pense num dia que começou ruim e tá terminando bem. Gracias! Acho que vou começar a colocar de 5 e pouca na manhã no twitter "Hoje eu só quero que o dia termine bem"... Hoje deu certo. =)
Bom, tô morrendo de rir e embolar aqui com duas músicas bregas - mesmo - de letra e de ritmo. Tem outras músicas tão boas quanto dessa banda, mas hoje só trago duas. Pega o elevador de Ana Carolina e sobe, porque o negócio aqui tá de baixo nível, aviso logo (principalmente pra quem vê ambiguidade em tudo, como eu).

Pimba


"Vou lhe contar a história da Mariana... Ela dançava o brega, arrocha, gafieira e quando agarrava o cara não parava de esfregar." Mas a dança que ela gostava era a dança do pimba (hummm). "Dança pimba Mariana, dança pimba sem parar. Pimba em cima, pimba embaixo, nunca deixe de pimbar". É isso aí, sem comentários. Próooooxima.


Broxa
(só tem guitarra e bateria)


Antes de tudo: é brocha ou broxa? Eu acho que é com "X", um X, um X no seu coração, mas como é uma palavra de dito popular, não sei aonde se encaiXa. Bom, voltando à música. Essas músicas que os vocalistas falam ao invés de cantar são tão ruins. Já tô com preguiça de escrever a letra e ainda por cima não entendo? Ah, fiquem com a desafinação deles mesmo, lá vem o refrão "É broooooxa, você pensa que é gostoso mas é broxa. Quis fazer amor comigo mas é broxa. Me jurou amor-fetiche mas é broxa. Na hora do vamovê você broxoou. E quer dar uma (#not) de amante sedutor."
É a velha questão do homem como um ser sempre viril e forte, que tem que dar conta do recado a todo tempo e a todo custo. Tem horas, porém, que o corpo (não o cavernoso, o corpo como um todo mesmo) não aguenta. Aceitem isso pessoas, principalmente os homens. Deixem a masculinidade de lado e aceitem a realidade, é bem melhor. =)

Nenhum comentário:

Postar um comentário