12 de jan de 2011

Reportagem sobre brega

Neste domingo passado (09/01) no Diário de Pernambuco. Engraçado que recentemente saiu uma reportagem parecida, ou seja, o brega está dominando Recife mais uma vez (semelhante aos anos 2004/2005, por aí) e a mídia não quer ficar fora dessa (clichê). Dominando de tal forma que sexta, no NETV 1ª edição passou Kelvis Duran no Dona Carolina, no projeto Quintas do Brega. Olhando os cartazes pelos muros da cidade vi que o Mercearia Amélia está com o projeto Quintas da Saudade (se não for o mesmo dono que o DC é plágio descarado), com Pagunça, Michelle Melo e Banda Metade + convidados.
Bom, voltando sobre a reportagem, trago-a aqui pra vocês.

Brega do morro à cobertura
Luiza Maia
- Especial para o Diario

"Quando se classifica algo como brega, o sentido é geralmente pejorativo. Roupa brega é cafona, homem brega é desinteressante, mulher brega é feia e por aí vai. Na mesma linha, a música brega sempre foi associada a um gênero renegado. Na época em que Reginaldo Rossi começou a carreira, há 40 anos, a reação era de estranheza. Nos últimos anos, como numa brincadeira, o brega tem ganhado espaço entre o público da classe média.


A aproximação gera conflitos. O tom irônico das composições e performances - encontrado no brega ´de raiz` - é interpretado por alguns como desrespeito às produções populares. ´Sempre que os meios populares emergem, causam estranhamento. As pessoas começam pela ironia, mas descobrem expressões criativas. Depois não sabem mais o que é ironia, o que é brincadeira`, acredita o mestre em comunicação Fernando Fontanella, pesquisador da estética do brega
(ainda estou terminando de ler o artigo dele. Muito bom, indico pra todos).
´No começo, achava que era greia. Pensava: esse pessoal tá zoando comigo. Mas vi que não. A galera até pede para cantar no palco`, comenta Kelvis Duran, o príncipe do Calypso. Para ele, é por meio das bandas surgidas entre a classe média que o público conhece suas letras. ´Os meninos de Faringes da Paixão cantam Que tontos, que loucos, somos nós dois# e todo mundo acompanha`, comenta Kelvis, sobre a banda que surgiu na época de colégio dos integrantes, como brincadeira, e que agora faz shows semanais.
O fato é que universitários como os integrantes de Faringes da Paixão dividem o palco com João do Morro e Kelvis Duran, em eventos para jovens de classe média. O projeto Quintas do Brega, no bar Dona Carolina, por exemplo, surgiu após a boa receptividade de um show de João do Morro. ´Estávamos procurando um projeto legal. E o Thiago (Megale, produtor de Victor Camarote e Banda Arquibancada) sugeriu esse. Toda semana, teria um convidado`, esclarece a gerente de marketing e eventos da casa, Renata Machado.
A banda de Victor é uma das pioneiras do ´brega cult`. Em 2005, ele começou a gravar um disco com composições próprias e covers. O álbum nunca saiu, mas impulsionou uma série de shows. ´Em 5 anos, não ficamos um mês parados`, gaba-se o cantor. Na mesma época, surgiu Tanga de Sereia, que se destacou com o clipe Homem do gás, estrelado pela atriz Hermila Guedes. A banda lançou dois discos, o último em 2009, porém diminuiu o ritmo. ´Mas a gente nunca para. Se o pessoal chama, a gente toca`, diz Paulo Trajano.

Outra festa que atrai público mais pop é a Brega Naite. A primeira edição, no ano passado, teve show do DJ Cremoso. ´Deu 900 pessoas no Armazém 14. A segunda, com Michele Melo, também. Na terceira, criamos o nome`, explica Allana Marques. A próxima será no dia 14, com a banda Vício Louco
(olhaaaaa)."

Beijos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário